propriocepção

 

propriocepção

filme digital

60 minutos

4:3 - pb - som

2007

 

Acervo do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul

A ação Propriocepção foi desenvolvida dentro do quadro de atividades do projeto Areal e consistiu na  realização  de   uma  investigação proprioceptiva, metacognitiva e psicofisiológica conduzida através da imersão diária no exercício de corrida. O desempenho destes exercícios — realizados no contexto urbano da cidade de Porto  Alegre  e  periodicamente  deslocados para locais ermos do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil — exprimiu uma ação  de  consubstanciação  tropológica entre corpo e ambiente. Produzida como complemento para as ponderações contidas no livro Deriva de sentidos, a ação teve como objetivo primeiro a inauguração de um método de reflexão sobre a transição da vida translaticiamente relacionada com a passagem das horas gastas com a corrida — apostando nos dez quilômetros de trilhas transpassadas diariamente como instrumento de investigação sobre a nitidez das  demarcações  entre  os  ideários de mente e corpo. Após um ano de dedicação diária ao projeto, o trabalho se concluiu com uma corrida realizada em um local remoto do litoral do extremo sul do Brasil. O registro desta corrida é apresentado como princípio de prova da suposição que motivou sua realização: a de que além do ânimo fisiológico proporcionado pelo exercício físico, poucas fronteiras psicológicas permanecem intactas a uma ação sustentada à exaustão. O filmes  Propriocepção, fotografado por Marcelo Coutinho e Paula Krause, configuram o registro da última corrida do ciclo de ações Propriocepção. Realizada em um espaço indeterminado da extensão de praia que vai da cidade de Rio Grande até o Chuí, o filme mostra uma corrida de uma hora, realizada por André Severo, que repete   em  ritmo,  extensão  e  duração  as  corridas  propostas como ação em Propriocepção.